Guerra contra o terrorismo! Geoestratégia da Nova Ordem Mundial Sionista.

Fonte: ácratas.net

A III Guerra Mundial começou em 2011, mas poucos foram conscientes disso. No dia 11 de setembro de 2001, um comando terrorista do Mossad israelense (israelita, em português europeu) com o apoio dos serviços secretos norte-americanos e da agência privada de segurança dos edifícios atingidos, executou a demolição controlada das Torres Gémeas do World Trade Center de Nova Iorque, demolição disfarçada e encoberta após o impacto de dois aviões Boeing 747, teledirigidos de terra. Da noite para o dia, esse atentado de falsa bandeira mudou o mundo. Tal como o afundamento do Lusitânia em 1915 e o bombardeamento de Pearl Harbor em 1941, o 11 de setembro permitiu a entrada dos EUA numa guerra de alcance mundial.

 O atentado foi atribuído a um novo todo-poderoso inimigo, Al Qaeda, organização terrorista dirigida por um agente da CIA – Osama Bin Laden – que tinha organizado a resistência contra a ocupação soviética em Afeganistão, nos anos 80. Em 2001, Bin Laden era um homem moribundo, com um câncer nos rins, tendo por esse motivo falecido em dezembro daquele ano num hospital da CIA no Cairo. Deixou vários vídeos gravados e assim prestou o seu último serviço à Nova Ordem Mundial Sionista. Mais tarde, quando foi necessário uma maior presença de Bin Laden na mídia, foi substituído por duvidosos duplos – era difícil imitar a especial fisionomia de Bin Laden – pelo que desapareceu durante anos. Osama morreu oficialmente em 2 de maio de 2011, no seu suposto refúgio de Abbottabad, no Paquistão. O seu cadáver jamais foi visto. Foi absurdamente lançado em alto mar desde um navio norte-americano, para que ninguém podesse comprovar que a sua segunda morte foi uma representação. 

Grande Israel

Três meses antes do 11 de setembro, o magnate judeu sionista Larry Silverstein adquiriu as Torres Gémeas, fez um seguro contra atentados terroristas e ganhou muito dinheiro com o projeto de reconstrução de outro judeu, o arquiteto Daniel Libeskind. Assim são os sionistas: um bom plano geoestratégico para a implantação da Nova Ordem Mundial Sionista deve começar por dar bons benefícios econômicos aos implicados. Todos recordamos a Silverstein ordenando por telefone: “Pull it down!”, referindo-se ao edifício WTC 7, que não foi impactado por nenhum dos aviões, mas cuja destruição forçada era perfeita para arredondar o seu negócio especulativo. A evidência de que se tratou de uma demolição controlada foi certificada por centenas de arquitetos e engenheiros de todo el mundo, os quais analisaram meticulosamente os cálculos e a estrutura do edifício, comprovando que o impacto dos aviões teria sido perfeitamente assumido pela magnífica estrutura de aço preparada para resistir a furacões da máxima severidade; e que os incêndios provocados pelo combustível das aeronaves seriam absolutamente inócuos para os edifícios, por não terem alcançado os 750º Celsius, como evidenciou a cor das chamas. Mas a verdade para o povo norte-americano, esse rebanho de focas enfermas de obesidade mórbida e moleza intelectual, é a que ouvem na FOX, CNN, NBC, ABC e na restante mídia sionistas, que representa cerca de 96% do total dos meios de comunicação, controlados por apenas seis famílias sionistas.

Após o atentado, depois de uma intensa manobra propagandística, o Congresso dos EUA aprovou a Patriot Act, que suspendeu direitos fundamentais da cidadania norte-americana. E a base militar de Guantánamo preparou-se para receber e torturar milhares de prisioneiros […] a III Guerra Mundial ainda se encontra nos preliminares.

Os EUA levantaram-se em pé de guerra total “contra o terrorismo” a finais de 2001. As primeiras ações de guerra iniciaram-se de imediato: Os EUA invadiram o Afeganistão com a desculpa de que Osama Bin Laden estava escondido em alguma cova perdida no Hindukush. Na realidade, com a invasão bloqueava a passagem ao transvase de petróleo desde o Irã para a China, cujo oleoducto encontrava-se em projeto. Quando os democratas do Congresso manifestaram os seus protestos perante a escalada de violência guerreira do governo Bush em outubro de 2001, receberam umas quantas cartas com antrax. Mais tarde se descobriu que o antrax provinha dos United States Army Biological Warfare Laboratories de Fort Detrick, en Maryland.

Seguiu-se a invasão do Iraque sob a hipótese de que o seu outrora aliado, Saddam Hussein —que armado pelos EUA combateu contra o Irã post-Xá, desde 1980 a 1988— possuía armas de destruição massiva que iria utilizar em breve. Contra quem? Não contra os EUA, a 10.000 km de distância, mas contra Israel. Demonstrou-se então que tais armas não existiam, que tudo era outra escandalosa mentira da CIA, mal assessorada pelo Mossad. Mas o país onde se diz que Deus situou o Paraíso terrestre foi arrasado, todas as suas riquezas culturais destruídas ou saqueadas, e ainda hoje, mais de uma década passada, o país não ergue a cabeça porque os atentados terroristas acontecem diariamente.

Para empurrar os países aliados para a guerra pelo petróleo, os atentados de falsa bandeira repetiram-se a 11 de março de 2004 em Madrid e em 7 de julho de 2005 em Londres, todos eles executados pelo Mossad com o apoio da OTAN.

Desde então, todos ls países árabes ou muçulmanos produtores de petróleo, desde Líbia até Síria, foram atacados pelos EUA ou por forças da OTAN, excepto Irã e os países aliados dos EUA, como Arábia Saudita. Muitas vezes, as provocações do famigerado estado sionista de Israel serviram de pretexto para a seguinte invasão do Império. Também foram atacados mediante atentados terroristas de falsa bandeira países como a Noruega, por se terem negado a bombardear a Líbia.

A III Guerra Mundial está em movimento e é uma guerra total. A posição da Rússia e China é fundamental. Em qualquer momento pode desencadear-se uma guerra nuclear aberta. Israel lançou uma bomba atômica táctica de baixa potência sobre Damasco e ameaçou plantar um cogumelo nuclear sobre Teerã em diversas ocasiões. Já lançou bombas convencionais contra instalações nucleares iranianas e preparou uma operação para bombardear a central de Natanz, onde se especula que milhares de centrifugadoras produzem urânio enriquecido, bem como as instalações de Eshafan e o reator de água pesada de Arak.

Atualmente, as forças da OTAN apoiam a guerra de Al Qaeda contra o regime sírio de Al Assad mediante o fornecimento de armas e equipamento. Quer dizer, estão apoiando e armando o seu suposto inimigo, Al Qaeda, tal como fizeram na Líbia, demostrando o utilitarismo do conceito do terror global e que Al Qaeda é, na realidade, una horda de mercenários a soldo do Ocidente para arrasar a parte do mundo muçulmano cujo subsolo é abundante em bolsas de crudo de fácil extração. E com mais fúria quando se trata de territórios que os sionistas consideram como próprios do Grande Israel, por direito divino.

Se as forças da OTAN ainda não bombardearam o território sírio, tal como fizeram em Líbia, é porque a Rússia colocou nesse país dezenas de mísseis S-300. Síria é o cenário atual da guerra entre dois blocos: o Império Judeu-Euroamericano e a resistência russo-comunista às quais se juntaram forças tão heterogêneas com Hezbolah ou efetivos do exército iraniano. Rússia não necessita do petróleo do Médio-Oriente, mas não pode tolerar a ocupação ocidental à volta das suas fronteiras. Os EUA mostraram as suas piores intenções armando o governo de Georgia durante a crise de Osetia, inclusive combatendo sobre o terreno havia efetivos do exército regular norte-americano e britânico, com muitas baixas e prisioneiros. Putin não baixará a guarda desta vez.

Nesta escalada de tensão é crucial o lançamento por parte de Israel de uma bomba de penetração de elevada eficácia, uma cabeça nuclear táctica de dois kilotonnes, a primeiros de maio de 2013 nas proximidades Damasco(*). O presidente Netanyahu referiu-se ao inqualificável ato de guerra como um “ataque preventivo para a eliminação de armas de destruição massiva”. Uma vez mais o mesmo subterfúgio, que voltou a repetir-se faz poucos dias quando se mostraram terroristas da Al Qaeda sob os efeitos de gás sarin procedente de Turquia. Nova ficção como justificação de ataques ulteriores. Mas o ataque a Damasco parece ter-se voltado contra eles. A prova é a adesão de Hezbollah à causa de Al Assad. Netanyahu parece acreditar que pode atacar territórios árabes sem que os povos árabes da zona, inclusive os inimigos do regime sírio, reajam. Ou é um gesto calculado para obrigar os EUA a intervir perante tais alianças?

Não é a primeira vez que se utilizam bombas nucleares tácticas, de potência variável, na zona: durante a Primeira Guerra do Golfo, os norte-americanos lançaram uma bomba nuclear de 5 kilotonnes entre Basora e a fronteira do Iraque. Insistimos em que o bombardeio das instalações perto de Damasco foi um ataque nuclear, apesar da mídia oficial não o mencionar. O duro ataque foi uma represália pelo afundamento dum submarino israelense (israelita, em português europeu) com equipamento nuclear, de construção alemã, devido a cargas de profundidade lançadas desde uma lancha da patrulha naval Síria.

O descaramento dos Estados Unidos e de Israel não têm limites. Estão ambos predispostos para a guerra, empurrados pela ruína econômica do império do dólar. Entretanto, Moscovo e Pequim compram todo o ouro possível nos mercados internacionais, não fazendo caso das manipulações do seu preço pelos banksters londinenses. Conhecem a sua capital importância no pós-guerra, quando as moedas fiduciárias perderem o seu valor.

O único travão a toda esta loucura seria que o próprio governo de Obama se assuste perante uma escalada de tensão que não esperava: a Rússia assumiu que a guerra mundial é inevitável, leva uma década construindo refúgios nucleares e se está preparando para a batalha: colocou dezenas de silos de mísseis de cruzeiro S-300 em território sírio, e destacou para as suas fronteiras dezenas de milhares de efetivos, várias divisões acouraçadas e destacou submarinos, fragatas e um porta-avião para a costa síria, bem como vários submarinos nucleares no hemisfério sul. Mas a política de apaziguamento de Obama a Israel não funcionou. Faz um ano, Obama ofereceu garantias ao lobby sionista de que Irã não conseguiria armas nucleares. Mas isso já sabia Sião. E não é isso que lhe importa. Querem levar para a frente o projeto do Grande Israel, a qualquer preço, pelo que oferecem ao néscio Golias yankee o petróleo barato da zona. E o néscio Golias acaba de colocar uma divisão de marines na fronteira entre Síria e Jordânia. Entretanto, a Rússia dispõe-se a colocar “forças de interposição apaziguadoras” na fronteira entre Síria e Israel.

Estão os sionistas loucos? De momento parece que estão perdendo a batalha de Síria. Mas os judeus sempre acreditaram que, sob a proteção do seu deus, Jehová, a vitória é para os ousados e que o fim justifica os meios: a mentira permanente, a guerra, a estafa, o genocídio, a manipulação mediática, o que quer que seja. Tudo vale a pena para fazer realidade esse Grande Israel que abarcará desde o Tigris à península Arábica, toda a Síria, meio Iraque, toda a Jordânia, parte do Kuwait que lhe dará saída ao Golfo Pérsico e uma parte do Egito que chega até o Cairo. Quer dizer, todo o cenário bíblico precorrido pelo povo de Israel, desde a morada de Adão e Eva ao Êxodo do Egito cruzando o Mar Vermelho e terminando em Jerusalém. Tudo isto é produto duma alienação mental colectiva ou algo perfeitamente possível?

A economia de guerra impõe-se no mundo. Assim se explica a intencionada e absolutamente evitável crise econômica provocada pelas Finanças Internacionais, como elemento prévio para forçar a guerra. Os acomodados são sempre pacifistas. Os arruinados, carne para canhão. As armas estão prontas. Os cadáveres desta III Guerra Mundial seremos nós, as populações do mundo inteiro. Se os falcões norte-americanos impõem o seu critério ao de Obama, coisa mais que provável, dada a influência que sobre eles têm os lobbies judeus norte-americanos e que 70% dos funcionários que rodeiam Obama são judeus sionistas, vamos a morrer que nem percevejos pulverizadas com Zyklon B. E o pior de tudo é que, em virtude da pouca ou nenhuma atenção que o mundo presta a todos estes acontecimentos, não nos vamos nem dar conta, morreremos enquanto vemos qualquer programa-lixo na televisão. Não se perderá demasiado com isso, excepto os muitíssimos mortos da Raça Superior, que acudirão pontuais ao seu Holocausto particular —”sacrifício a Jehová de corpos de vítimas incinerados até ao consumo total”— no território do atual Israel. É o que têm algumas grandes mentiras universais: mais tarde ou mais cedo tornam-se realidade.

Tradução: Equipa SionismoNET

,

7 Responses to Guerra contra o terrorismo! Geoestratégia da Nova Ordem Mundial Sionista.

  1. Marcos 17/06/2013 at 14:15 #

    Gostaria que se explorasse mais o fato de que na II Guerra Mundial a Suissa ficou neutra obviamente porque os banqueiros sionistas financiavam os dois lados da guerra. Uma outra questão importante é a ligação estreita do sionismo com o nazismo para impedir que judeus fugissem do destino dos campos de concentração e o papel de Stalin dentro desse plano, expulsando os judeus para a Europa dominada por Hitler.
    E mais atualmente como o modus operandi sionista está presente no recrudescimento da violência policialesca de Países e estados de várias partes do mundo inclusive no Brasil onde se vê em SP especificamente uma violência típica de um governo assessorado por sionistas. É preciso investigar mais profundamente as atuais relações dos sionistas e seus agentes nas atuais políticas da América Latina tentando desestabilizar a região para posterior promoção de um processo de endividamento e guerra. O capital financeiro tem a mídia quase que totalmente sob seu controle e se não fosse a internet já teriam atingido o seu intento de dominação escravagista.

  2. Silvio 08/09/2013 at 06:20 #

    Os sionistas não financiavam o nazismo.
    Muito se fala sobre isso mas pouco se prova.

  3. jose maria dos santos 04/12/2013 at 13:01 #

    Bem. O Sionismo foi criado e tomou força após o período pós II Guerra Mundial, devido aquele caos do Holocausto. Agora, o Sionismo é de agora, porém, a nação de Israel não. Se há uma nação que tem um fundo histórico riquíssimo, esta nação é Israel. A sua marcha, a sua caminhada até aqui, vem de longe, e é uma das poucas nações mais velhas da Terra, com 4.000 mil anos de existência. Se há uma nação com esse Histórico e currículo, e que tem uma narração histórica dentro do Livro mais lido no Mundo de toda a história da humanidade, que é a Bíblia, a Palavra de Deus. Essa nação de Israel, não é uma invenção sionista moderna, e nem uma usurpação geopolítica, como muitos querem supor que seja essa proposta de Israel. Olhem com atenção para a história da humanidade, se encontrarão uma nação que sobreviveu por mais de 4.000 mil anos de flagelos, humilhações, desatinos, horrores e expulsão de seu território. E você acha que isso é uma proposta ilusória desta nação, de ter o seu espaço territorial adquirido? Faça uma leitura com diligencia no Livro de Romanos capitulos 9, 10 e 11; você entenderá que está por detrás desta pequeníssima nação. Olhem e atente para os escritos dos Profetas Velho-Testamentário onde unânimes falam sobre a SUPREMACIA de Israel no Milênio, onde o seu MESSIAH reinará universalmente por 1.000 anos literais sobre essa terra. Esse povo de Israel, foi, é e será a menina dos olhos de Deus. Então, NINGUÉM, se atreva a mexer com esse GRÃO DE MOSTARDA, pois, o seu Viticultor é Deus, O TODO PODEROSO. (João 15.1). Olhe para o que diz o Profeta Zacarias 8.23 que diz: “Naquele dia sucederá que pegarão dez homens de todas as línguas das nações, pegarão da veste de um JUDEU, e lhe dirão: Iremos convosco, porque temos ouvido que Deus está convosco(Emanuel)”. Quem é esta nação? Que povo será esse? Quem pegarão nas vestes de um judeu para ir adorar o MESSIAH em Jerusalém? As Escrituras não mentem, porque Deus não é homem para mentir. O que Deus disse, isso se cumprirá cabalmente sobre essa Terra. (Lêr: Daniel 9 – 12; Mateus 24; II Tessalonicenses 2; Apocalipse 12,13). Shalon Adonai.

    • admin 05/01/2014 at 01:25 #

      Caro Sr. José Maria dos Santos,
      O Antigo Testamento não é um texto factual.
      E mesmo que o fosse, não justificaria as atrocidades e crimes do regime sionista.

    • Roberto 01/08/2014 at 17:01 #

      A bíblia não foi totalmente inspirada por Deus. Foi muito alterada e contém muito texto feito por homens de acordo com seus interesses. Esse povo de Deus que você fala aí está promovendo um massacre de grandes proporções. São terroristas e serão punidos pela justiça de Deus.

  4. Josef S Mendes 11/05/2014 at 11:15 #

    Desculpe estar aqui a comentar […]

    (Nota da redação: parte deste comentário, escrito por Josef S Mendes, agente sionista, foi eliminado por contrariar as normas de publicação de comentários deste site)

  5. MZ 28/12/2014 at 15:30 #

    O judaísmo sempre foi uma religião do apartheid …seu deus dos exércitos(Ares?)toda a sua mitologia(estórias) virulenta e alimentada por uma megalomania nacionalista e racista(arianista:sangue puro: só é judeu quem é filho de judia) judaísmo é um povo ou uma raça?Judaísmo não é apenas uma religião?…
    ….narcisismo extremista…estupidez total……..o sionismo foi fundamentado na mitologia judaica(apesar de haverem judeus não sionistas)…..do contráriao não seria um sucesso…..por fim tudo não passa de máscaras para esconder e justificar crimes ,redes mercantis, e o poder financeiro/político de uma pequena elite banqueira que há muitos séculos extremamente organizados (endogamia/dinastias) dominam o globo.

Deixe uma resposta