Holocausto, um típico mito sionista

Autor: Dr. Abdullah Mohammad Sindi, Ph.D. International Relations

1. Introdução

A palavra “holocausto” significa uma extensa destruição de seres humanos por outros humanos, resultando numa massiva perda de vidas, especialmente pelo fogo. No entanto, o chamado “holocausto” pela Alemanha nazi contra os judeus é baseada em duas grandes mentiras.

A primeira mentira afirma que os nazis mataram “seis milhões” de judeus. Esse número é extremamente exagerado, sendo portanto uma mentira (veja abaixo algumas estimativas razoáveis ??e imparciais).

A segunda mentira, diz que esses “seis milhões” foram presos e, em seguida, “gaseados” ou “queimados” vivos . Novamente, isso é uma mentira, porque não existe prova alguma de que algum judeu vivo tenha sido “gaseado” ou “queimado” em qualquer “câmaras de gás” ou “crematório” na Alemanha nazi.

 Apenas aquelas pessoas que morreram de doenças infecciosas perigosas como a febre tifóide (judeus ou não-judeus) foram queimados ou cremado pelos nazis , a fim de evitar epidemias . O número desses mortos infectados queimados é muito menor do que os “seis milhões” da lenda. Era uma prática comum e legal da Alemanha nazi e de outros países queimar ou cremar mortos infectados com doenças fatais transmissíveis, para evitar infectar os vivos. Nunca ninguém declarou esse tipo de prática como sendo ilegal.

Dr Abdullah Mohammad Sindi: mito do holocausto.

Por outro lado, os judeus que foram mortos pelos métodos convencionais nazis (ou seja, não gaseados, e não queimados) não foram mais especiais do que a esmagadora maioria das outras vítimas não-judaicas, que também foram mortos pelos nazis, pelos mesmos métodos convencionais. Dado que a morte de não judeus pelos nazis não é considerado por ninguém como um “holocausto”, por que razão a matança de judeus mediante métodos convencionais constitue um “holocausto”?

2. Mentiras sionistas

Todos os árabes e muçulmanos (juntamente com muitas outras pessoas em distintas regiões do mundo) sabem perfeitamente que o Estado judeu/sionista de Israel é um Estado ilegítimo e ilegal estabelecido pela força das armas em 1948 e assim mantida desde então.

Comprometido com um brutal e antidemocrático programa que somente pode ser implementado pela força, Israel foi fundado com base em mitos e mentiras.

A lista das dez mais famosas mentiras são:

1. Os judeus são o “povo escolhido de Deus.”

2. A Palestina é “A Terra Prometida por Deus” só para judeus (apesar do fato de que o cristianismo aí nascido).

3. A “Terra Prometida para os judeus se estende do Nilo ao rio Eufrates.”

4. Os judeus estiveram “sem pátria” durante os últimos 2.000 anos até a criação Israel em 1948.

5. A criação de Israel em 1948 foi o “cumprimento de uma profecia bíblica.”

6. Os árabes vêm “odiando” os judeus durante os últimos 2.000 anos (apesar do fato de que os árabes sempre foram compostos de muçulmanos, cristãos e judeus).

7. A Palestina era “uma terra vazia”, que não tinha habitantes árabes quando os ocidentais e os judeus sionistas aí criaram Israel em 1948.

8. Os judeus não eram “autorizados” a praticar livremente a sua religião na Palestina antes de Israel ter sido criado em 1948.

9. Israel é um estado “democrático” e “pacífico” (apesar de ele travou muitas guerras brutais e expansionistas contra os árabes, tem sistematicamente morto e desalojado os nativos cristãos e muçulmanos nativos (árabes) da sua pátria histórica (Palestina), e roubado as suas propriedades e empresas durante os últimos 57 anos).

10. A Alemanha nazista cometeu um “holocausto” por “gasear ou incinerar seis milhões de judeus” durante a Segunda Guerra Mundial.

Embora existam muitos ocidentais que não concordam com pelo menos um dos 9 primeiros mitos acima mencionados, a maioria das pessoas no Ocidente aceitam, sem questionar, a reivindicação judaico-sionista sobre o chamado “holocausto”, como se fosse uma ” verdade divina “. Este embuste do holocausto tem sido comprado e vendido por ocidentais cultos e incultos, sejam eles da extrema-direita (como os cristãos fundamentalistas), ou os chamados “moderados”, ou mesmo da esquerda (como socialistas e comunistas).

Embora os EUA acredite ser um país livre, onde a primeira emenda da Constituição dos EUA supostamente garanta a liberdade de expressão para quem deseje expressar lógica e racionalmente as suas opiniões sobre qualquer assunto, o chamado “holocausto” é claramente uma excepção a esta regra. Enquanto nos EUA é permitido atacar ou criticar o Governo norte-americano, o presidente americano, Jesus Cristo, ou mesmo Deus, qualquer ataque público ou comentário crítico em relação ao poderoso lobby judaico ou ao chamado “holocausto” não é permitido na terra da “liberdade”. Quem se atreva a comentar ou escrever algo crítico sobre o sionismo ou sobre a influência judaica nos EUA é imediatamente rotulado de “racista” ou “anti-semita” (isto é, anti-judeu) e paga um alto preço em danos à sua reputação e carreira, como os actores Marlon Brando e Vanessa Redgrave descobriram da maneira mais dura. Por vezes o preço por se manifestarem contra os sionistas na terra da “liberdade” é o assassinato, como foi o caso de Alex Odeh, um árabe-americano, brutalmente assassinada em 1985 no seu escritório no sul da Califórnia (ADC – Arab Anti-Discrimination Committee).

Apesar dos judeus americanos constituirem uma minúscula minoria de cerca de 2 ou 3% do total da população dos EUA, de acordo com as melhores estimativas, é caso para se perguntar se os EUA são uma nação cristã ou judaica, especialmente quando se trata de debater livremente e em público o chamado “holocausto”.

3.Como e porquê as mentiras sobre o “Holocausto” começaram

Durante a última parte da II Guerra Mundial, quando se tornou evidente  a derrota militar da Alemanha , os líderes sionistas de dentro e fora dos Estados Unidos temeram que sua intenção de roubar a Terra Santa da Palestina aos árabes pudesse perder o apoio. Apesar do facto dos nazis anti-semitas estarem prestes a serem aniquilados (além de que a maioria dos judeus europeus se encontravam assimilados e viviam pacificamente nos respectivos países nativos ocidentais, incluindo os EUA, onde muitos judeus alemães e do Leste Europeu tinham emigrado ), os líderes sionistas mantinham a todo o custo  o seu plano, anterior ao nacional-socialismo, de colonizar a Palestina árabe.

Obviamente que algo hediondo, terrível e chocante foi necessário inventar, durante e após o final da II Guerra Mundial, por duas razões principais. A primeira foi para conseguir a necessária legitimidade e apoio para os antigos planos sionistas de 1897 (nascimento da Organização Mundial Sionista) e 1917 (Declaração britânica de Balfour) de colonização da Palestina. O segundo foi para rejuvenescer e reforçar o movimento sionista, conseguindo atrair os relutantes judeus ocidentais não-sionistas à sua causa de criação de um estado “exclusivamente” judaico, para os chamados  judeus ocidentais “sem pátria”, na Terra Santa Árabe da Palestina. Deve ser mencionado aqui a antiga obsessão do Ocidente de roubar a Palestina aos Árabes, desde os tempos sangrentos das Cruzadas (1095-1291).

Para conseguir a nível mundial apoio, compaixão e simpatia para o plano de colonização da Palestina árabe, os líderes sionistas começaram a fazer circular terríveis histórias nas quais os nazis “incineraram” e “gasearam” seis milhões de judeus em “câmaras de gás”, “fornos”, e “crematórios” dentro e fora da Alemanha, entre o final de 1942 e Novembro de 1944 (cinco meses antes do suicídio de Adolf Hitler, em Abril de 1945). Também acrescentaram que os nazistas tinham produzido “adubo”, “candeeiros”, “bolsas de mão”, “cordas” e “sabonetes” da pele, gordura e cabelos dos judeus “exterminados”.

A primeira pessoa a referir essa terrível informação sobre o chamado “holocausto” e “extermínio de seis milhões de judeus” foi o rabino sionista Israel Goldstein em 13 de dezembro de 1942. [1] A alegação não verificada de Goldstein foi amplamente divulgada pelos líderes sionistas, dentro e fora dos EUA, e por seus simpatizantes de todo o mundo, após o fim da Segunda Guerra Mundial.

A alegação do “holocausto” foi fundamental na produção da Resolução 181 da Assembleia Geral da ONU, em 29 de Novembro de 1947, a qual atribuiu “legitimidade” e “legalidade” para a criação do ilegítimo e ilegal estado sionista pró-ocidental de Israel em mais de metade do território da Palestina, contra a vontade da população árabe nativa. Mencionemos que esta resolução das Nações Unidas, que os EUA magistralmente engendraram pressionando fortemente os Estados membros da ONU, foi aprovada pelo voto de 33 países a favor, 13 contra e 10 abstenções.

4. Investigadores e historiadores negam o “Holocausto”

Assim que essas novas e chocantes informações sobre o chamado “holocausto” nazi se tornaram públicas, muitos estudiosos e historiadores, tanto na Europa como nos EUA, rapidamente começaram a refutá-las como uma bem orquestrada campanha de propaganda de guerra sionista. Foram comparadas a outras campanhas similares, tal como aquelas em que, durante a I Guerra Mundial, os alemães foram acusados ??de “devorar bebés belgas e se divertir em lançá-los ao ar e trespassá-los com baionetas”. Nas palavras do Dr. Arthur R. Butz, um professor americano da Universidade de Northwestern, em Illinois (mais sobre Dr. Butz abaixo), os “sionistas, sobretudo o Congresso Mundial Judaico, apresentaram suas teorias absurdas (” holocausto “) aos governos aliados, em especial ao Governo dos EUA, exigindo aprovação. “[2]

Embora os sionistas e seus simpatizantes sempre marcaram qualquer um que negue o “holocausto” como “de direita” ou “racista”, a verdade é que desde meados da década de 1940 muitos estudiosos e historiadores ocidentais e não-ocidentais, de diversas esferas do conhecimento, com distintas origens étnicas e diferentes orientações políticas (incluindo judeus), vêm categoricamente desmentindo o alegado “genocídio” nazi, “as câmaras de gás”, e a incrível cifra dos “seis milhões”.

Deve ser ressaltado contudo que esses estudiosos e historiadores, como o Dr. Butz, e alguns outros que em breve mencionaremos, não negam o facto de que muitos judeus e não judeus foram efectivamente perseguidos ou assassinados na Alemanha nacional-socialista, bem como nos territórios ocupados pelos alemães durante a Segunda Guerra Mundial, tanto dentro como fora dos terríveis campos de concentração. O que eles negam é o chamado “holocausto”. Eles negam a cifra dos “seis milhões” e a maneira pela qual esses judeus foram mortos. Todos esses revisionistas do Holocausto concordam nos seguintes seis pontos: [3]

1. Que o denominado “holocausto” e a história dos “seis milhões” teve a sua origem no sionismo e não em qualquer autoridade governamental ou outra fonte independente.

2. Que nem a Conferência de Yalta de Fevereiro de 1945 (a cúpula dos líderes da Rússia, EUA e Grã-Bretanha), nem o Vaticano, nem mesmo a Cruz Vermelha Internacional, se pronunciaram sobre qualquer “holocausto” ou cifra de “seis milhões”, e nenhum deles tinha qualquer razão para isso.

3. Que nenhuma das principais memórias pessoais escritas por importantes líderes da II Guerra Mundial, nem as redigidas pelo líder francês Charles de Gaulle, ou a do líder britânico Winston Churchill, ou mesmo a do líder americano Dwight D. Eisenhower, mencionam o que seja sobre um “holocausto”.

4. Que o tribunal sobre crimes de guerra de Nuremberg, na Alemanha, que automaticamente “aceitou” a cifra sionista de “seis milhões”, foi nada mais do que  perseguição política parcial e tendenciosa por parte das potências vitoriosas.

5. Que a única “confissão” sobre “cremação e gasear judeus vivos” partiu de uma única pessoa, em 5 de Abril de 1946, – O comandante Nazi de Auschwitz, Coronel Rudolf Franz Hoess (ou Hoss), após ter sido torturado por seis agentes da polícia militar britânica, como um deles, o sargento Bernard Clarke, confessou posteriormente.

6. Que a melhor estimativa do número total de judeus que morreram ou foram mortos ( não “gaseados” ou “incinerados”) dentro e fora de campos de concentração alemães em virtude da brutalidade nazi, fome, doenças, causas relacionadas com a guerra , ou por outras razões, varia entre 300.000 e 500.000 (não 6 milhões). Deve ser indicado aqui que, durante a II Guerra Mundial, cerca de 74 milhões de pessoas morreram, a esmagadora maioria dos quais não eram judeus, incluindo o bombardeio atómico das cidades japonesas de Hiroxima e Nagasaki.

O falecido geógrafo francês Paul Rassinier (conhecido como o “pai do revisionismo do Holocausto”), que foi eleito como socialista na Assembleia Nacional francesa, em 1945, publicou em 1948 o livro “Le Passage de la Ligne” (“Crossing the Line”), no qual narra sua horrível experiência como prisioneiro político, de esquerda, internado nos campos de concentração alemães de Buchenwald e Dora, entre 1943 e 1945. Neste livro e em muitos outros que se lhe seguiram, como The Holocaust Story and the Lies of Ulysses (A História do Holocausto e as Mentiras de Ulisses), Rassinier refuta energicamente o “holocausto”, as “câmaras de gás” e a cifra dos “seis milhões”.

Apesar de rejeitar a acusação de “extermínio” dos judeus pelos nazistas, Rassinier estimou que talvez pudessem ter morrido cerca de um milhão de judeus [4] (valor considerado demasiado elevado por muitos outros revisionistas do “holocausto”), entre 1933 e 1945, devido a causas diversas, como resultado directo e indirecto de diversas políticas brutais nazis, tais com as deportações de judeus, as duras condições de trabalho, os campos de internamento, desnutrição, doenças, epidemias e sobretudo a própria II Guerra Mundial.

Outro francês, o Dr. Robert Faurisson, um ex-professor da Universidade de Lyon, também rejeitou o chamado “holocausto” Nazi; desafiou alguém a desenhar ou mostrar uma “câmara de gás nazi”, classificou o famoso Diário de Anne Frank como um fraude e chamou ao Museu Memorial do Holocausto, de Washington DC, “um fiasco histórico”.

Curiosamente, enquanto existe nos EUA um Museu Memorial do Holocausto para os supostos “seis milhões de judeus gaseados” pelos alemães, não existe em nenhum lugar dos EUA qualquer Museu Memorial, compensações, ou mesmo palavras de desculpas para com os nativos e negros norte-americanos, abatidos como animais, em  dezenas de milhões, às mãos dos euro-americanos durante o maior e autêntico holocausto que o mundo já viu. Nas palavras do professor norte-americano Ward Churchill, “é provável que mais de cem milhões de nativos tenham sido “eliminados” durante a “civilização” europeia do hemisfério ocidental “. [5] Outro professor norte-americano, David E. Stannard, escreveu que entre 40 e 60 milhões de negros africanos perderam as suas vidas, como consequência da brutalidade do sistema de escravidão euro-americano. [6]

O Dr. Arthur R. Butz, no seu bem documentado livro “The Hoax of the Twentieth Century: The Case Against the Presumed Extermination of European Jewry” (O mito do século XX: estudo sobre o suposto extermínio dos judeus europeus”), explicou que, durante a Segunda Guerra Mundial, até funcionários do Departamento do Estado dos EUA, tais como J. Breckenridge Long e outros “…consideraram toda a conversa sobre o ‘extermínio’ como sendo mera propaganda de guerra inventada, tal como outras histórias inventadas durante a Primeira Guerra Mundial” [7]. Escreveu o Dr. Butz que “As ‘câmaras de gás’ foram uma fantasia de propaganda de guerra, comparável ao lixo divulgado por Lord Bryce e companhia durante a Primeira Guerra Mundial” [8]

Dr. Butz também referiu que o número total de presos em campos de concentração em toda a Alemanha, judeus e não judeus (pois não havia campos específicos para judeus), era de cerca de 224.000 em 1943 e 524.000 em 1944 [9]. Além disso o Dr. Butz assinalou que Heinrich Himmler, o segundo homem mais poderoso da Alemanha nazi (que supostamente se “suicidou” por “envenenamento” em 23 de Maio de 1945, durante o cativeiro britânico) declarou, alguns semanas antes do fim da II Guerra Mundial, em uma entrevista com um representante do Congresso Judaico Mundial, que:

“A fim de pôr fim a epidemias (tifo), fomos obrigados a queimar os corpos de um número incalculável de cadáveres de pessoas que tinham falecido em virtude da doença. Fomos portanto forçados a construir crematórios, e por essa razão nos vão estender uma armadilha” [10]

Finalmente, o Dr. Butz provou que não existem provas documentais que evidenciem qualquer tipo de programa de “extermínio”. Indicou que o próprio Dr. Aryeh Leon Kubovy, do Centro de Documentação Judaica de Israel em Tel-Aviv, admitiu em 1960 que “não existe nenhum documento assinado por Hitler, Himmler, ou Heydrich falando de exterminar os judeus e … a palavra “extermínio” não aparece na carta de Goering para Heydrich relativa à solução final da questão judaica”. [11]

Em 1968 a judia francesa Olga Wurmser-Migot escreveu em “Le systeme concentrationnaire nazi“:

“Assim como não existe nenhuma … ordem de extermínio por gás em Auschwitz, também não existe nenhuma ordem para parar em novembro de 1944. Nem no julgamento de Nuremberg, nem durante o curso de julgamentos marginais, nem no julgamento de Hess em Cracóvia, nem de Eichman em Israel, nem no julgamento dos comandantes de campos, nem no julgamento de figuras secundárias de Auschwitz (Novembro 1945 – Agosto 1946), foi a famosa ordem assinada por Himmler, em 22 de Novembro de 1944, sobre o fim do extermínio dos judeus pelo gás encontrada, a ordem a pôr fim à Solução Final”. [12]

No livro “The Six Million Swindle: Blackmailing the German People for Hard Marks with Fabricated Corpses”, o Dr.Austin J. App, falecido professor norte-americano de Literatura de Inglesa na Universidade de Scranton e na Faculdade LaSalle, menciona quatro pontos fundamentais: [13]

1. Que a denominada “Solução Final” de Hitler para o problema judaico não era “aniquilação”, mas sim a deportação ou expulsão da Alemanha, a qual foi aprovada com aberta cooperação e incentivo dos próprios sionistas que pretendiam que os judeus alemães, juntamente com judeus de outras regiões do mundo, abandonassem os seu países de origem, com o intuito de colonizar a Palestina (um plano sionista existente desde 1897 e em conformidade com a Declaração Britânica de Balfour, de 1917).

2. Que nenhuma pessoa viva (judeu ou não-judeu) foi alguma vez “gaseado” ou “queimado” em qualquer campo de concentração alemão, incluindo Auschwitz (supostamente o principal centro de “extermínio”).

3. Que os judeus que perderam suas vidas, enquanto nas mãos dos nazis, ou morreram de epidemias ou foram mortos porque eram subversivos, espiões, sabotadores, criminosos ou vítimas de represálias internacionais legais.

4. Os sionistas e seus simpatizantes americanos, que dentro e fora dos meios de comunicação norte-americanos e na indústria do cinema usam constantemente a cifra de “seis milhões” nunca conseguiram oferecer um mínimo fragmento de evidência como prova.

Muitos outros escritores ocidentais têm refutado as acusações do Holocausto. Entre eles estão os dois seguintes americanos: o Coronel John Beaty do Serviço de Inteligência Militar do Departamento de Guerra dos EUA, que ridicularizou a lenda dos “seis milhões” no seu livro “Iron Curtain Over America“, e o Dr. David Leslie Hoggan, um ex-professor na Universidade da Califórnia em Berkeley. Entre os historiadores britânicos que têm negado o “holocausto” estão:  David Irving, famoso autor de best-sellers e Richard E. Harwood, que em 1974 escreveu um livro intitulado “Did Six Million Really Die? The Truth at Last” [14] . Pelo menos três académicos alemães refutaram o “holocausto”: o Dr. Wilhelm Staeglich que escreveu “Auschwitz: A Judge Looks at the Evidence”, Emil Aretz em “Hexen-Einmal-Eins einer Luege” (“The Witches’ Multiplication Table is a Lie”) e Thies Christophersen em “Die Auschwitz Luege” (“A mentira de Auschwitz”).

5. Conclusão

Não há dúvida de que foi a partir do denominado “Holocausto” (mais do que qualquer outra coisa) que o sionismo ganhou aceitação popular e simpatia no ocidente. Este, por sua vez levou à brutal criação do Estado de Israel sobre a terra da Palestina árabe, em 1948, à custa da tragédia de inocentes nativos muçulmanos e cristãos.

Conclusão: se os nazis mataram um único judeu ou 6 milhões de judeus (independentemente do método empregado), os alemães – e certamente não os árabes palestinianos – deveriam pagar o preço pelo chamado “holocausto”. Racionalmente falando, qualquer parte da Alemanha (e não a Palestina) deveria ter sido o local para a criação deste brutal, ilegítimo e ilegal Estado judaico-sionista de Israel, que muita morte e sofrimento vem causando aos árabes.

Notas:

1. Arthur R. Butz, The Hoax of the Twentieth Century: The Case Against the Presumed Extermination of European Jewry (Newport Beach, California: Institute for Historical Review, 1993), p. 80.

2. Ibid., p. 87.

3. Consultar “66 Questions and Answers on the Holocaust,” (Newport Beach, California: Institute of Historical Review, 1995).

4. Butz, The Hoax of the Twentieth Century, p. 17.

5. Ward Churchill, Indians are Us? Culture and Genocide in Native North America (Monroe, Maine: Common Courage Press, 1994), p. 30.

6. David E. Stannard, American Holocaust: The Conquest of the New World (New York: Oxford University Press, 1992), p. 151.

7. Butz, The Hoax of the Twentieth Century, p. 63.

8. Ibid. p. 240.

9. Ibid. p. 36.

10. Citado em ibid., p. 240.

11. Citado em ibid., p. 19.

12. Citado em Roger Garaudy, The Founding Myths of the Israeli Policy (USAR Publishing Group: IPP Printers & Publishers, 1997), pp. 48-49.

13. Consultar Austin J. App, The Six Million Swindle: Blackmailing the German People for Hard Marks With Fabricated Corpses (Takoma Park, Maryland: Boniface Press, 1973).

14. Richard E. Harwood, Did Six Million Really Die? The Truth at Last (Brighton, Sussex England: Historical Review Press, 1974).

15. Para mais detalhes sobre os autores citados e suas posições, que estão além do escopo deste artigo, consulte as deliberações da XII Conferência Internacional revisionista sobre o Holocausto “, realizada em setembro 03-05, 1994 em Irvine, Califórnia, organizado pela Instituto pela Revisão Histórica, Newport Beach, Califórnia.

16. Garaudy, The Founding Myths.

17. Butz The Hoax of the Twentieth Century, p. 11-12.

18. Consultar o autor judeu Neal Gabler, An Empire of Their Own: How the Jews Invented Hollywood (New York: Double Day [and Crown], 1988).

19. Barry Rehfeld, “Robert Mitchum Gives a Ran Interview,” Esquire, Fevereiro de 1983, p. 56.

_____________________________________________

O falecido Dr. Abdullah Mohammad Sindi foi um professor saudita-americano de Relações Internacionais e Ciência Política. Estudou em diversas universidades em França, Bélgica e EUA. Recebeu o seu doutoramento (Ph.D.) na Universidade do Sul da California. O Dr. Sindi leccionou em várias universidades e faculdades, na Arábia Saudita e nos EUA, tal como a Universidade Rei Abdulaziz, em Jeddah, a Universidade da Califórnia, em Irvine, a California State University, em Pomona, a Faculdade Cerritos e a Faculdade Fullerton. Também trabalhou na Organização das Nações Unidas, em Nova York durante dois anos. O Dr. Sindi tem várias publicações editadas em árabe e em inglês. Seu livro, “Os Árabes e o Ocidente: as contribuições e as punições”, encontra-se à venda em Amazon.com.

Originalmente publicado em http://www.radioislam.org/sindi/typic.htm#sindi
(Tradução: sionismo.net) 

Notas dos editores:

Este artigo é da responsabilidade do seu autor. Ao abrigo da lei de liberdade de imprensa, os editores de sionismo.net decidiram publicar uma série de artigos de conhecidos historiadores e outros académicos sobre o holocausto nazi, a “indústria do holocausto” e o aproveitamento desonesto e por vezes criminoso que individualidades e instituições sionistas têm feito do ocorrido na segunda Guerra Mundial.

Não negamos o genocídio de judeus durante a segunda guerra mundial, como também não negamos outros genocídios verificados na história da humanidade, como o genocídio dos índios na América do Norte ou mais recentemente dos Palestinos às mãos dos sionistas israelenses.

Apesar de alguns dos editores deste site sermos autênticos descendentes de judeus sefarditas e por isso mais judeus e semitas que os colonos sionistas de origem centro-europeia, para evitar as típicas e rotineiras acusações de anti-semitas, nesta série de artigos daremos preferencialmente a palavra a investigadores de origem semita, como é o caso do Dr. Sindi.

Por motivos de memória histórica e de respeito para com as cerca de 70 milhões de vítimas da 2ª Guerra Mundial, não permitimos comentários a estes artigos evitando assim a utilização indevida e inadequada de indivíduos perturbadores, perturbados, violentos ou racistas. Quem queira escrever-nos sobre estes artigos deverá usar o formulário de contacto ou  enviar email para admin[arroba]sionismo.net.

, , , , , ,

Trackbacks/Pingbacks

  1. Grupo sionista LDJ da França na Cisjordânia (foto) | Midiacrucis's Blog - 18/09/2011

    […] O “Holocausto” um típico mito sionista. […]

  2. Crítica ao livro "A Invenção da Terra de Israel", de Shlomo Sand.Sionismo.net - 30/04/2013

    […] O que terá feito possível o “Estado de Israel” não foi a promessa de Deus, mas sim o Holocausto e a relutância ocidental de providenciar refúgio aos […]